fbpx

Notícias

Projeto Parto Adequado: Professora da Unesc participa de evento no Hospital Albert Einstein em São Paulo


O Projeto Parto Adequado foi iniciado em 2015 com o objetivo de incentivar o parto normal

A professora Claudia Lucrécia de Matos, docente dos cursos de Enfermagem e Farmácia oferecidos pela Unesc, em Vilhena, está participando nesta semana de um encontro voltado à Situação de Aprendizagem Presencial – SAP do Projeto Parto Adequado, realizado pelo Hospital Israelita Albert Einstein, Institute Healthcare Improvement (IHI), Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e pelo Ministério da Saúde.

O evento acontece no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, nos dias 7 e 8, com o objetivo de preparar os profissionais de saúde para a melhoria do atendimento das gestantes e puérperas. “O objetivo do projeto é identificar modelos inovadores e viáveis de atenção ao parto e nascimento, que valorizem o parto normal e reduzam o percentual de cesarianas sem indicação clinica. Há no Brasil um abuso da indicação do parto cesáreo, tanto no Sistema Único de Saúde como na saúde suplementar. Este abuso tem levado à ocorrência de nascimentos prematuros, com aumento da incidência no uso de UTI neonatal por síndrome adaptativa do recém-nascido”, enaltece a professora da Unesc.

Claudia destaca ainda que o evento será realizado através de oficinas, ressaltando que na Situação de Aprendizagem Presencial o foco é discutir estratégias para a redução da mortalidade materna. “Também faz parte dos objetivos implementar estratégias de redução da mortalidade materna.  Há um treinamento, baseado na simulação de situações reais em ações práticas, nas quais os profissionais podem aprofundar suas competências tanto como líderes quanto como membros de uma equipe para o atendimento de alto desempenho”, explica a professora Cláudia Lucrecia de Matos.

Sobre o Projeto Parto Adequado

O Projeto Parto Adequado foi iniciado em 2015 com o objetivo de incentivar o parto normal e conscientizar as futuras mães e toda a rede de atenção obstétrica sobre os riscos da realização de cesáreas sem indicação clínica.

A proposta é oferecer às mulheres e aos bebês o cuidado certo, na hora certa, ao longo da gestação, durante todo o trabalho de parto e pós-parto, considerando a estrutura e o preparo da equipe multiprofissional, a medicina baseada em evidências e as condições socioculturais e afetivas da gestante e da família.

(Giliane Perin – Assessoria de Imprensa/Unesc, com informações da ANS)